• Header-kenniscentrum-1.jpg

« Costas

Micorriza

mycorrhiza03 فبر

Embora fungo seja algo que talvez nos leva logo a pensar nas pintas verdes no pão ou na maçã estragada, existem muitos outros tipos. Os tipos que vivem no solo, por exemplo. Os fungos do solo podem constituir uma grande parte da biomassa subterrânea. Eles vêm em de todas as formas e feitios e desempenham um papel muito importante no ecossistema do solo.

Relações entre as raízes das plantas e fungos ocorrem com muita frequência. Tal tipo de relação simbiótica denomina-se também micorriza. Podem-se distinguir quatro formas diferentes, que dependem do modo de crescimento do fungo. Muitas variedades de árvores não podem crescer sem uma relação com determinados fungos do solo. Na relação entre a planta e o fungo do solo, o fungo obtém carbono e energia do seu hospedeiro para poder continuar seu crescimento. O fungo absorve fósforo e outros nutrientes do solo e levam-nos às raízes das plantas, que também os absorvem de modo que a planta continue a crescer.

A micorriza oferece à planta uma certa protecção contra doenças do solo. A tolerância geral é aumentada através de uma melhor transformação de substâncias nutritivas e água (fornecimento de nutrientes), em particular no que concerne os micronutrientes. As fitoalexinas produzidas pelas plantas representam uma ameaça para o organismo agressor no solo, porém os fungos micorrizas podem actuar como um factor inibidor ao desenvolvimento de patogénicos, por exemplo através da produção de antibióticos ou da competição por pontos de infecção e por sacarídeos.

Para o cultivo de plantas saudáveis a presença de micorrizas é na realidade uma condição essencial.

  • A micorriza aumenta a tolerância a secas, geadas, sais, metais tóxicos e variações extremas de pH e temperatura.
  • A micorriza promove o vigor vegetal por meio de uma vida activa do solo.
  • A micorriza pode, através da produção de hormonas de crescimento, estimular o enraizamento, a floração e a frutificação, mas gera também folhas mais robustas devido à melhor absorção de silício.
  • A micorriza presta, ela própria, um contributo substancial para a formação de uma estrutura melhor do solo por meio da produção de polissacarídeos aderentes e dos filamentos fúngicos.

Componente importante da cadeia alimentar subterrânea, a micorriza estimula uma vida rica do solo. Na assim chamada rizosfera dos filamentos fúngicos encontram-se não somente outros tipos, mas também 5 vezes mais microrganismos do que num sistema radicular sem micorriza.

A BAC fornece 4 tipos de micorriza num único recipiente com o nome “Funky Fungi”. Em combinação com os nossos estimuladores, esses fungos colonizarão de modo contínuo e mais rápido ao redor do sistema radicular do seu cultivo. Os fungos têm de estar em contacto com as raízes. Uma vez fixados, eles crescem juntamente com as raízes. Uma dosagem de 5 gramas por planta, independentemente das dimensões do vaso, já é suficiente para um crescimento óptimo das suas plantas.

Embora fungo seja algo que talvez nos leva logo a pensar nas pintas verdes no pão ou na maçã estragada, existem muitos outros tipos. Os tipos que vivem no solo, por exemplo. Os fungos do solo podem constituir uma grande parte da biomassa subterrânea. Eles vêm em de todas as formas e feitios e desempenham um papel muito importante no ecossistema do solo.

Relações entre as raízes das plantas e fungos ocorrem com muita frequência. Tal tipo de relação simbiótica denomina-se também micorriza. Podem-se distinguir quatro formas diferentes, que dependem do modo de crescimento do fungo. Muitas variedades de árvores não podem crescer sem uma relação com determinados fungos do solo. Na relação entre a planta e o fungo do solo, o fungo obtém carbono e energia do seu hospedeiro para poder continuar seu crescimento. O fungo absorve fósforo e outros nutrientes do solo e levam-nos às raízes das plantas, que também os absorvem de modo que a planta continue a crescer.

A micorriza oferece à planta uma certa protecção contra doenças do solo. A tolerância geral é aumentada através de uma melhor transformação de substâncias nutritivas e água (fornecimento de nutrientes), em particular no que concerne os micronutrientes. As fitoalexinas produzidas pelas plantas representam uma ameaça para o organismo agressor no solo, porém os fungos micorrizas podem actuar como um factor inibidor ao desenvolvimento de patogénicos, por exemplo através da produção de antibióticos ou da competição por pontos de infecção e por sacarídeos.

Para o cultivo de plantas saudáveis a presença de micorrizas é na realidade uma condição essencial.


A micorriza aumenta a tolerância a secas, geadas, sais, metais tóxicos e variações extremas de pH e temperatura.

A micorriza promove o vigor vegetal por meio de uma vida activa do solo.

A micorriza pode, através da produção de hormonas de crescimento, estimular o enraizamento, a floração e a frutificação, mas gera também folhas mais robustas devido à melhor absorção de silício.

A micorriza presta, ela própria, um contributo substancial para a formação de uma estrutura melhor do solo por meio da produção de polissacarídeos aderentes e dos filamentos fúngicos.

Componente importante da cadeia alimentar subterrânea, a micorriza estimula uma vida rica do solo. Na assim chamada rizosfera dos filamentos fúngicos encontram-se não somente outros tipos, mas também 5 vezes mais microrganismos do que num sistema radicular sem micorriza.

 

A BAC fornece 4 tipos de micorriza num único recipiente com o nome “Funky Fungi”. Em combinação com os nossos estimuladores, esses fungos colonizarão de modo contínuo e mais rápido ao redor do sistema radicular do seu cultivo. Os fungos têm de estar em contacto com as raízes. Uma vez fixados, eles crescem juntamente com as raízes. Uma dosagem de 5 gramas por planta, independentemente das dimensões do vaso, já é suficiente para um crescimento óptimo das suas plantas.

 

« Costas

Scroll to top